Daltonismo

Daltonismo

O Daltonismo é uma doença ocular em que a pessoa não é capaz de enxergar uma ou todas as cores. Na maioria das vezes, a maior dificuldade é diferenciar as cores verde e vermelho. Isso acontece quando há alguma anomalia ou ausência das células que são responsáveis pelo reconhecimento da luminosidade e das cores.

Problemas com a visão?

Agende sua consulta online:

Causas

O daltonismo é geralmente genético, no entanto, podem ser resultado de uma lesão ocular ou até neurológica. Nos casos genéticos, ocorrem geralmente nos homens, pois a anomalia genética esta relacionado ao cromossomo X.

Cerca de 8% dos homens sofrem com esse problema, enquanto apenas 0,5% das mulheres sofrem com a mesma doença. Mas, existe uma explicação científica para isso. Os homens possuem apenas um cromossomo X, enquanto as mulheres possuem dois cromossomo X. Assim, para que uma mulher seja daltônica, é preciso que seus dois cromossomos contenham o gene recessivo responsável por essa anomalia, o que é mais raro acontecer.

Origem do termo

Na área médica, a doença também é conhecida como discromatopsia ou discromopsia. Mas, o nome “daltonismo” foi atribuído a este problema ocular como homenagem ao químico John Dalton,  que foi o primeiro estudioso sobre a doença, da qual ele mesmo era portador.

Tipos

Em resumo, o daltonismo é a incapacidade de visualizar uma determinada cor ou frequências de cores. O que diferencia os tipos do problema são as cores que não são enxergadas pelo paciente.

Monocromacias

Neste caso o paciente geralmente consegue ter apenas a percepção de luminosidade, sem possibilidades de diferenciação de cores. É a “visão em preto e branco”, que tem uma ocorrência muito pequena, afetando apenas 0,003% da população masculina e 0,002% da população feminina. É o tipo de visão comum em animais de hábitos noturnos.

Dicromacias

Neste caso o paciente não possui um tipo específico de célula, e manifesta-se de três formas diferentes: protanopia, deuteranopia e tritanopia.

Visão normal:
Daltonismo visao normal

Protanopia  – Os daltônicos protanopes são pessoas que não possuem os cones vermelhos, também conhecidos como cones de comprimento de onda longa. Neste caso há uma dificuldade de diferenciar as tonalidades cores no segmento verde-amarelo-vermelho. A Visão fica assim:

Daltonismo Protanopia

Deuteranopia – Os daltônicos deuteranopes são pessoas não possuem os cones verdes, também conhecidos como cones de comprimento de onda intermediário. Neste caso há uma dificuldade de diferenciar as tonalidades de cores no segmento verde-amarelo-vermelho.

Esta variação de atinge 1% da população masculina, e foi também a condição que afetou John Dalton. A comprovação foi realizada através de um diagnóstico realizado em 1995, por meio do exame do ácido desoxirribonucleico do seu globo ocular.

Daltonismo Deuteranopia

Tritanopia – Os daltônicos tritanopes são pessoas não possuem os cones azuis, também conhecidos como cones de comprimento de onda curta. Neste caso há uma dificuldade de diferenciar as tonalidades de cores no segmento azul-amarelo.

Daltonismo Tritanopia

Tricromacias anômalas

Neste caso, o paciente tem uma mutação nos cones, são manifestados de três formas diferentes: protanomalia, deuteranomalia e tritanomalia.

  • Protanomalia – A pessoa possui uma mutação nos cones vermelhos, o que ocasiona na confusão na visualização entre as cores vermelha e preta. Esta variação atinge 1% da população masculina.
  • Deuteranomalia – A pessoa possui uma mutação nos cones verdes. Dificulta a identificação da cor verde, é a variação mais comum, responsável por 50% dos casos.
  • Tritanomalia – A pessoa possui uma mutação nos cones azuis. Impossibilita a diferenciação de cores que estão presentes na faixa de cor do azul-amarelo. É o caso mais raro, o único que não está vinculado ao cromossomo X, estando presente no cromossomo 7.

Diagnóstico e testes de daltonismo

É possível diagnosticar através de três exames diferentes: anomaloscópio de Nagel, Lãs de Holmgreen e teste de cores de Ishihara. Conheça mais sobre esses testes:

Anomaloscópio de Nagel

É um aparelho que examina o campo de visão do paciente por meio de dois tipos de iluminação: um campo de luz monocromática amarela e outro campo com diversas luzes monocromáticas verdes e vermelhas. Por meio de uma comparação das tonalidades vistas pelo paciente e as tonalidades reais, é possível identificar qual é o tipo de daltonismo que ele possui.

Lãs de Holmgreen

Este exame avalia a capacidade do paciente em separar  fios de lã de diversas tonalidades de cores. O Paciente deve organizar os fios de lã de forma a obedecer uma sequencia de cores em uma lista pré-determinada. O tipo de falha na classificação das cores determinará o tipo do problema.

Teste de cores de Ishihara

Este é um exame simples e o mais frequente para identificação. Nele são exibidos cartões com pontilhados ou com formas geométricas de diversas tonalidades. As figuras inseridas neste cartão (geralmente números) são identificados facilmente por quem não possui a doença, mas para uma pessoa daltônica será difícil distinguir.

Este teste pode ser feito online. Disponibilizamos abaixo alguns cartões, que podem sugerir se você tem ou não problemas para enxergar cores. Mas, lembramos que é sempre importante procurar um especialista caso tenha qualquer dificuldade em enxergar. Somente o médico pode fornecer um diagnóstico seguro.

Teste de Daltonismo 8 Teste de daltonismo 15Teste de Daltonismo 45 Teste de Daltonismo