Plástica Ocular

O que é?

Plástica Ocular (ou Oculoplástica) é a área da Oftalmologia que realiza cirurgia plástica ao redor dos olhos. Envolve cuidados clínicos e cirúrgicos de várias condições que afetam as pálpebras, vias lacrimais e órbita.

O que se trata?

A causa mais comum de procura por um cirurgião oculoplástico é o excesso de pele e gordura ao redor dos olhos, cuja correção é chamada Blefaroplastia. Mas existem diversas outras causas: tumores palpebrais, mau posicionamento (pálpebras caídas, viradas para fora ou para dentro), lacrimejamento, olho seco, blefarite, paralisia, espasmos, rugas, alterações oculares por doença da tireoide, entre outros.

Tratamento Estético

Cirurgia Plástica Ocular

  • Blefaroplastia

    A cirurgia plástica das pálpebras pode ser realizada nas pálpebras superiores ou inferiores, de acordo com a necessidade de cada um. Tem como objetivo a retirada do excesso de pele e gordura dessas regiões, o que pode melhorar a exposição dos olhos e a sensação de peso nas pálpebras. Vários procedimentos adicionais podem ser realizados nesta cirurgia, visando a correção apropriada da frouxidão dos tecidos, da abertura ocular e da qualidade da pele.

  • Ptose

    A ptose (pálpebras caídas) pode acontecer desde o nascimento ou ser adquirida com a idade. Em geral, seu tratamento é por cirugia. Existem várias técnicas para correção: algumas envolvem um corte da pele; outras são realizadas na parte interna da pálpebra (conjuntiva) sem cicatriz aparente; casos mais graves podem exigir a colocação de um fio de silicone para sustentar as pálpebras. Por isso, uma avaliação criteriosa deve ser realizada para a definição individualizada da técnica mais apropriada a cada caso.

  • Toxina botulínica

    A toxina botulínica (“botox”) é aplicada para reduzir as contrações musculares. Ao redor dos olhos, isso pode ser feito para uma melhora estética das rugas ou para o controle de espasmos musculares involuntários. Esses espasmos geralmente são consequências de doenças neurológicas, como o Blefaroespasmo Benigno ou o Espasmo Hemifacial. Seja por motivos cosméticos ou patológicos, é sempre primordial o exame clínico para definir as regiões e doses aplicadas, pois existe o risco de efeitos colaterais nos olhos.

  • Ectrópio/Entrópio

    A frouxidão dos tecidos ou cicatrizes podem levar ao mau posicionamento das pálpebras: viradas para fora (ectrópio) ou para dentro (entrópio). Tanto um quanto outro podem causar inflamação nos olhos, lacrimejamento, lesões na córnea, úlcera e até perfuração ocular. Por isso, o tratamento adequado a cada caso deve ser avaliado por um cirurgião plástico ocular.

  • Tumor

    As pálpebras são regiões muito expostas à luz do Sol. Por isso, é uma região frequente de aparecimento de tumores de pele, sendo que o mais comum é um câncer de pele chamado Carcinoma Basocelular (CBC). Os tumores podem aparecer como um nódulo, uma verruga ou uma inflamação localizada. Muitas vezes podem ser confundidos com cistos, calázio, terçol ou blefarite. Então no caso de lesões de pálpebras que não melhoram, é muito importante a avaliação de um médico especialista na área.

  • Vias Lacrimais

    Lacrimejamento constante e infecção das vias lacrimais (que fazem a drenagem da lágrima) podem ser sinais de uma obstrução desse canal. Isso pode ser encontrado em crianças desde o nascimento, ou ser adquirido com a idade, por trauma ou até mesmo tumores. Muitas vezes é necessária uma cirurgia chamada Dacriocistorrinostomia para possibilitar a drenagem da lágrima. Para definir o tratamento mais apropriado para cada caso, procure um médico especialista na área.

Procedimentos Cirúrgicos

Sabemos que uma intervenção cirúrgica de qualquer natureza pode provocar certa ansiedade no paciente e seus familiares. Para aliviar essa sensação, vamos explicar o passo-a-passo.

Cuidado Pós-operatório da cirurgia plástica de pálpebras.
 
O cuidado pós-operatório é fundamental para o processo de recuperação e cicatrização da cirurgia.
 
Nos primeiros dias é comum a região ficar inchada ou roxa, podendo vazar ainda um pouco de sangue e um leve desconforto ou coceira no local operado.
Dores e inflamações mais intensas, ou saída de secreção amarela, devem ser comunicadas imediatamente ao médico.
Compressas geladas melhoram o desconforto, inchaço e pequenos sangramentos.
 
Nos primeiros 3 dias, faça compressas geladas com água mineral ou soro fisiológico, por 30 minutos, pelo menos 5 vezes por dia.
Na primeira semana, durma com a cabeça mais elevada, com 2 ou 3 travesseiros. E evite o contato da região operada com o travesseiro.
 
O uso de colírios lubrificantes pode ser usado para aliviar a sensação de olho seco quando necessário. Siga o uso de colírios e pomadas conforme a recomendação do seu médico.
 
Em geral, os pontos são retirados entre 5 e 14 dias, dependendo do tipo de cirurgia.
Por pelo menos 2 semanas, deve-se evitar carregar peso e outras atividades físicas mais intensas.
O uso de cigarro deve ser evitado pelo menos 1 mês antes da cirurgia e 2 semanas após a cirurgia, porque pode dificultar a cicatrização e piorar o resultado da cirurgia.
 
Por fim, minimize a exposição ao Sol nos primeiros 6 meses. Utilize sempre óculos de Sol, filtro solar sem cor e barreiras físicas, como chapéu e bonés.
Todos esses cuidados vão contribuir para uma melhor cicatrização, menor tempo de recuperação e o melhor resultado da cirurgia.
Faça visita periódica ao seu médico, até receber alta definitiva de acordo com orientação prévia.
 
Em caso de dúvidas entre em contato conosco.
O Paciente receberá o telefone de emergência.

Rolar para cima